Árvores raras e antigas são a chave para uma floresta saudável

Dois estudos apontam a necessidade de diversidade florestal tanto em idade quanto em espécies

Cerca de 800 anos atrás, um carvalho gigante na floresta de Sherwood, na Inglaterra, ajudou a proteger Robin Hood do xerife corrupto de Nottingham. Embora o conto seja provavelmente um mito, a árvore não é: ainda permanece como um dos carvalhos mais antigos do mundo.

Essas árvores antigas – algumas com mais de 3.000 anos – são fundamentais para a sobrevivência de suas florestas, mostra uma nova pesquisa. Árvores raras – algumas são tão escassas que os cientistas ainda não as encontraram – também são críticas para a saúde da floresta, revela outro novo estudo.

Juntas, as pesquisas sugerem que os conservacionistas deveriam fazer mais para proteger as árvores mais antigas e raras do mundo, diz William Laurance, ecologista da James Cook University, em Cairns, que não esteve envolvido no trabalho. Como as florestas são ecossistemas tão importantes – armazenando carbono, reduzindo o escoamento de água e fornecendo comida e abrigo para muitas espécies – essa estratégia não é apenas boa para a saúde do ecossistema florestal, argumenta ele, é crítica para a saúde do planeta.

“Na minha opinião, essa galera que está começando precisa se equipar de informações, desde como comprar uma bike, até técnicas de pilotagem e manutenção, pois pouca gente sabe, que bicicleta tem tamanho e ajuste. Existe bicicleta para andar no asfalto e outra diferente, para as trilhas. Sem falar da quebra de corrente e a necessidade de lubrificação”, explica Jorge, que depois das liberações de decreto devido a pandemia, tem conseguido fazer roteiros para pequenos grupos.

A segurança é fundamental para viver o esporte, aproveitar a natureza e guardar boas recordações. Os passeios em grupos são os mais aconselháveis, além de todos os equipamentos de segurança, como capacete, luvas, lanternas, sinalizador, óculos, importante tam

No estudo de árvores antigas, Charles Cannon, que pesquisa a evolução ecológica no Morton Arboretum, queria ter uma noção da porcentagem de árvores antigas em uma floresta média. “Antigo” é uma questão de perspectiva e espécie, no entanto. Nas florestas de carvalhos, onde a maioria das árvores vive menos de 100 anos, as antigas sobrevivem até quase 1000; com pinheiros bristlecone de vida mais longa, as árvores antigas podem exceder 3.000 anos.

Cannon e seus colegas decidiram definir as árvores mais veneráveis de uma floresta como aquelas 10 a 20 vezes mais velhas que seus irmãos. Eles usaram estatísticas para prever quantas árvores antigas eles esperariam encontrar em florestas com diferentes taxas de mortalidade de árvores. Ao contrário dos animais, que tendem a ter uma expectativa de vida específica, as árvores podem crescer indefinidamente até serem derrubadas por raios, fogo, motosserras ou doenças. Assim, usando taxas de mortalidade florestal que variam de 0,5% a 5% ao ano, medidas por silvicultores, Cannon executou um programa de computador que calculou as distribuições de idade que seriam alcançadas ao longo do tempo em uma floresta simulada.

A cada ano, uma certa porcentagem de árvores morre. Com o tempo, portanto, Cannon sabia que haveria poucas árvores que atingissem a velhice. Mas ele diz que ficou surpreso com o quão poucos sobrevivem para ser “antigos”.

Quando as taxas anuais de mortalidade excedem 3%, nenhuma árvore chega a uma idade “antiga”, ele descobriu. Quando a mortalidade oscila entre 1% e 2%, apenas 1% ou menos das árvores se tornam tão velhas, Cannon e seus colegas relatam hoje na Nature Plants.

Isso pode ser uma má notícia porque essas árvores abrigam genes críticos para a sobrevivência de toda a floresta, diz Cannon. Árvores antigas podem conter DNA que as torna menos propensas a serem derrubadas pelo vento, por exemplo, ou mais resistentes a doenças fúngicas. E como esses indivíduos sobreviveram a centenas – senão milhares – de anos de flutuações climáticas, os antigos que brotaram em um ambiente muito diferente fornecem uma maneira de a floresta sobreviver caso o clima volte aos tempos antigos.

“Uma vez que eles se foram, eles se foram”, diz Cannon. “Não podemos simplesmente nos replantar de volta a uma floresta saudável.”

“As árvores antigas são um centro insubstituível de biodiversidade”, concorda o ecologista conservacionista Gianluca Piovesan, coautor da Universidade de Tuscia. Insetos incomuns e outras espécies fazem suas casas neles, diz ele. “Nós absolutamente devemos preservar florestas antigas e árvores antigas para fazer a transição para um futuro ecologicamente correto.”

“Essa é uma mensagem que precisa sair não apenas para a comunidade científica, mas para todo o mundo”, diz David Milarch, co-fundador do Archangel Ancient Tree Archive. Por várias décadas, Milarch, que não estava envolvido com o trabalho, e seu grupo vêm cultivando e plantando clones de árvores antigas de 130 espécies, incluindo carvalhos, bordos e sequoias, na esperança de garantir que seus genes sejam perpetuados.

Enquanto isso, Peter Reich, ecologista da Universidade de Michigan, Ann Arbor, e da Universidade de Minnesota, Twin Cities, se concentrou na diversidade de espécies de árvores encontradas nas florestas. Ele e vários colaboradores compilaram um conjunto de dados de 40 milhões de árvores de mais de 90 países, chegando ao que dizem ser a primeira estimativa científica do número total de espécies de árvores.

Ao todo, o mundo abriga aproximadamente 73.000 espécies de árvores, das quais cerca de 9.000 ainda não foram nomeadas e catalogadas, Reich e seus colegas relatam hoje no Proceedings of the National Academy of Sciences .

Surpreendentemente, um terço das espécies conhecidas são raras, com apenas um ou dois indivíduos em uma pesquisa, assim como as não identificadas. E como as árvores raras, como as antigas, podem conter genes que podem beneficiar toda a floresta, conservar essas espécies também é fundamental, diz Reich.

A biodiversidade de árvores – o número de espécies por floresta – é maior na América do Sul e Central, África, Ásia e Oceania, descobriu a equipe. Isso ajuda a “estabelecer uma referência para nos ajudar a priorizar os esforços de conservação”, acrescenta, sugerindo que esses continentes precisam de mais ajuda.

Garantir que as árvores antigas sobrevivam pode ajudar a preservar a diversidade da floresta, diz Cannon. Essa diversidade é a diferença entre novas espécies evoluindo e antigas se extinguindo. Quanto mais uma árvore vive, menor a probabilidade de sua espécie ser extinta e maior a probabilidade de novas espécies surgirem durante sua vida.

Então, quando lugares como a floresta amazônica são estáveis, eles acumulam mais diversidade ao longo do tempo, mesmo que árvores raras não estejam se reproduzindo muito bem, explica Cannon. Assim, “árvores antigas atrasam o processo de extinção”, diz ele, principalmente se pertencem a uma espécie rara: elas podem viver o suficiente para que o clima ou o meio ambiente mais uma vez permita que essas árvores geneticamente ricas compartilhem sua recompensa com o resto da espécie.

Fonte: https://www.science.org

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.