Bicicletas invadem os cenários das grandes e pequenas cidades

“Na região do Caparaó, muitos circuitos são um convite para fazer do ciclismo um turismo de experiência”.

Vento no rosto, bicicleta equipada e bons passeios. Durante a pandemia, esse tem sido o destino de muitas pessoas, os adeptos das duas rodas se multiplicaram em várias cidades do País. A busca pela prática do esporte, já que as academias ficaram por muito tempo fechadas, pode ter sido uma das justificativas, mas o tempo vem mostrando que não é só isso, o “confinamento” fez com que muitas pessoas ressignificassem velhos hábitos. Estar com a mente e o corpo em forma, fez com que o contato com a natureza fizesse toda diferença.

Na região do Caparaó Capixaba, o cicloturismo, ou mesmo, outras modalidades de passeios usando bicicletas já faziam parte da realidade, mesmo assim, novos adeptos estão mudando a rotina das cidades. Mais gente nas trilhas da zona rural, grupos de amigos trocando experiências, fizeram crescer essa paixão pelas bicicletas, até porque, sobram belezas naturais na região.

De acordo com Jorge Adriano, guia especializado nesses roteiros, são muitas as opções para as aventuras. Importante é que cada lugar acaba se adaptando ao fôlego e a busca dos ciclistas. Antes de sair pedalando, a primeira etapa é escolher um equipamento certo, buscar informações básicas de mecânica e conhecer o limite do próprio corpo.

“Na minha opinião, essa galera que está começando precisa se equipar de informações, desde como comprar uma bike, até técnicas de pilotagem e manutenção, pois pouca gente sabe, que bicicleta tem tamanho e ajuste. Existe bicicleta para andar no asfalto e outra diferente, para as trilhas. Sem falar da quebra de corrente e a necessidade de lubrificação”, explica Jorge, que depois das liberações de decreto devido a pandemia, tem conseguido fazer roteiros para pequenos grupos.

A segurança é fundamental para viver o esporte, aproveitar a natureza e guardar boas recordações. Os passeios em grupos são os mais aconselháveis, além de todos os equipamentos de segurança, como capacete, luvas, lanternas, sinalizador, óculos, importante também ter sempre um celular.

 

“Ter essa consciência dos equipamentos necessários, evitar de ir sozinho também é importante. Antes de sair de casa ter o planejamento de onde fazer a trilha, estudar o trajeto e avisar o destino a outra pessoa. São cuidados importantes. Sempre digo para as pessoas que a região do Caparaó é a “Disney” para quem curte bike, mas é importante não ir sem conhecimento”, destaca Jorge, que também é guia cadastrado do Parque Nacional do Caparaó.

Para viver esse turismo de experiência, vários roteiros e circuitos são possíveis no Caparaó. Dentre eles, o trajeto do entorno da Estrada Parque, tem sido muito procurado. “Imagine você ter três dias para conhecer os caminhos da Estrada entorno do Parque Nacional do Caparaó? Antes do passeio, fazemos uma palestra sobre como trocar pneu, limpeza e lubrificação, damos as informações básicas, mas necessárias. Muitas pessoas procurando, quando a pandemia acabar, a expectativa é ter o retorno dos grandes eventos”, finaliza Jorge.


Não esqueça:
– Capacete, luvas e óculos
– Câmara de ar reserva, remendos, Power link e chaves
– Fazer um planejamento de onde ele vai, quantos quilômetros irá percorrer, e o tempo que irá gastar
– Avisar algum amigo ou parente a rota que ele irá fazer.
– Leve sempre um celular


Roteiros no Caparaó:
– Pedal da Cachoeira da Fumaça
– Pedal da Ernestina
– Pedal Portal do Céu
– Pedal Rota das Cachoeiras
– Pedal Estrada Parque

3 respostas para “Bicicletas invadem os cenários das grandes e pequenas cidades”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.