Pesquisar

Reserva Caruara é sinônimo de preservação no Norte Fluminense

A RPPN fica no distrito de Grussaí, em São João da Barra, o espaço é um projeto do Porto do Açu

Compartilhe:

Um espaço que vem sendo dedicado a cuidado e recuperação, tem sido também um espelho que vem sendo mostrado a alunos, visitantes e acadêmicos, que estudam mais e mais essa vegetação da Mata Atlântica. A Reserva Caruara fica no município de São João da Barra, a iniciativa de recuperação foi criada pelo Porto do Açu, reunindo várias empresas que atuam na região neste setor portuário. Fundada há 11 anos e aberta a visitação há menos de um, a RPPN é aberta ao público, mostrando que desenvolvimento econômico precisa andar junto com iniciativas que reduzam o impacto ambiental, mas que gere também, conhecimento científico e valorização da cultura local.

foto da reserva caruara

“Quando a gente comprou a Caruara um terço na fazenda já era antropizada, porém mais da metade, estava bem preservada. Num estágio muito bom de preservar, logo ficou claro que o potencial da Caruara era a conservação. Se decidiu criar a unidade de Conservação, RPPN, unidade de conservação integral, voluntária e privada. Uma vez que você propõem o órgão ambiental, isso vai estar para sempre atrelado a matricula desse imóvel. Conservação como unidade de preservação”, explica o Gestor de Relações Portuárias e Gestor da Reserva, Caio Cunha.

Depois de tomada a decisão foi a vez de fazer o plano de manejo do lugar, para que o espaço fosse estudado de vários ângulos, de acordo com os administradores, foram convidados vários representantes da sociedade, de pesquisadores a órgãos ambientais, pessoas que moravam perto e a sociedade em geral. “Tínhamos aqui um uso histórico como o extrativismo, muitos pescadores artesanais, duas lagoas dentro da fazenda e muita gente que retirava frutas da região. Todos os usos foram mapeados e integrados a ideia, a intenção não foi fazer uma ruptura, tanto que o Plano de Manejo levou quase dois anos para ficar pronto e até hoje,temos um Conselho Consultivo”, afirma Caio.

foto da placa informativa do caruara

O Porto do Açu que fica no distrito de mesmo nome, no município de São João da Barra tem 130 km² de área, mas 40 km² desta área, que equivale a cinco mil campos de futebol, pertence a Reserva Caruara. “A Reserva presta um serviço muito importante para o próprio Porto do Açu, que é a conservação. Para uma empresa criar uma indústria, passa geralmente o trator para construir, neste momento, existe uma supressão de vegetação, dentro das características diversas. Como regra, o Porto do Açu instituiu que para cada 1 hectare suprimido, 5 hectares precisam ser replantados. Pela lei estadual, a empresa pode fazer esse replantio em qualquer parte do estado, mas aqui, nós obrigamos as empresas a compensarem seus impactos locais”, complementa o Gestor.

Produção de conhecimento

Junto com os estudos da reserva vieram também uma gama imensa de conhecimento acadêmico, até agora 42 pesquisas cientificas de graduação e pós graduação, foram feitas na reserva com base em estudos da fauna e flora. Muitas dessas informações não estavam em livros, foram adquiridas com conhecimento prático, troca de vivência de antigos moradores e laboratórios na própria RPPN.

A restinga é um ecossistema costeiro, que está ligado ao bioma Mata Atlântica, ocorre sempre ao longo das áreas litorâneas. Essa vegetação é necessária para proteger as praias e fazer o equilíbrio ambiental. Mas antes da reserva existir, a situação era bem complicada na região, isso porque a vegetação sofria com ações de extrativismo, queimadas, pesca ilegal, abertura das barras das lagoas, um conjunto de impactos ambientais que eram rotineiros.

Foto da da reserva Caruara, vegetação

“Maior programa de preservação de restinga no Brasil, nossa ideia é gerar conhecimento e dividir esse conhecimento com outros pesquisadores, principal narrativa de proteger o ecossistema de restinga. Estamos na Ponta da Lagoa de Iquipari, sempre foi uma área muito utilizada pela comunidade, área onde dentro do plano de manejo é mais sensível para o plano de conservação. A caça não tinha regra, o extrativismo predatório prejudicava demais, muitas queimadas, a invasão até com carros dentro da lagoa, sem contar a abertura da barra, quando entrava água salgada na lagoa”, afirmou Caio.

Projeto Tamar

Na visita a Reserva, as pessoas tem acesso ao trabalho do Projeto Tamar, que já existe há algum tempo no Brasil, mas no Norte do Rio de Janeiro estava sem sede. O monitoramento de costa é feito pelos profissionais todos os dias, são 62 Km percorridos de São João da Barra até Quissamã.

“A tartaruga precisa respirar, muitas vezes fica presa em redes e acaba morrendo. Ela é uma espécie chave que protege outras marinhas. O principal impacto dela é a ingestão de resíduo, por isso, na visitação mostramos isso para os visitantes. Quando encontramos animais debilitados, trazemos aqui para reserva e damos uma segunda chance a eles”, Tatiane Bitar, executora de campo.

Viveiro para reflorestamento

foto do viveiro do caruara

O viveiro é o começo de tudo, desenvolver uma técnica de restauração para a área de restinga foi o principal objetivo desde a criação. “Não tinha nenhum viveiro que pudesse fornecer nem muda e nem conhecimento, criamos uma metodologia com base em outros lugares, ao mesmo tempo, fomos buscamos conhecimento da espécie. Temos espécies que estão na lista vermelha de extinção, nosso viveiro tem 90 espécies, ameaçadas são 7. Até agora na Reserva, catalogamos 308 espécies”, explica Daniel Nascimento, Coordenador da Reserva.

Agende sua visita

A Reserva é aberta para visitação, desde que a sede foi inaugurada em setembro do ano passado, de lá pra cá vem recebendo centenas de visitantes com foco na educação ambiental. Gostou? Então, marque sua visita:

https://reservacaruara.com.br/programacao/

Acompanhe a matéria completa no Rota Verde TV:

https://www.youtube.com/watch?v=vh3eiRwn-UI

A Reserva já foi matéria antes no Rota Verde:

https://rotaverde.com.br/preservacao-reserva-caruara-a-maior-rppn-do-rio-de-janeiro/

https://rotaverde.com.br/preguica-de-coleira-do-sudeste-na-reserva-caruara/

Siga o Rota
Leia também:

2 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *