Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Reciclar é necessidade para a busca da qualidade de vida

A produção de lixo não para de crescer dentro das casas, comércios e industrias, seja dos materiais que são embalados os alimentos, das sobras de comidas, dos processos industriais, ou mesmo, de produtos que quebram e não funcionam mais. Necessidade, essa palavra define bem o caminho que a reciclagem vem percorrendo ao longo das décadas, as montanhas de lixo sem triagens já não existem tanto, principalmente pelas questões ambientais, mas também porque a reciclagem gera emprego e renda para milhares de famílias.

Na ponta do lápis a reciclagem é um processo de reaproveitamento de inúmeros materiais, todo o processo de beneficiamento vem melhorando, mas precisa ainda de mais tecnologia e matéria prima para deslanchar. Importante destacar que o principal objetivo é reintroduzi-los na cadeia produtiva, para que gerem valor e sejam reutilizados, reduzindo a produção de lixo, e aumentando a preservação dos recursos naturais. Reciclagem é sustentabilidade.

Os ideais da reciclagem são essenciais no dia a dia, mas ainda existe um grande caminho a ser percorrido, porque muita gente ainda não separa o lixo, dando mais trabalho aos catadores de rua, muitas vezes inutilizando alguns materiais que não podem ser molhados, por exemplo. É preciso a mudança de hábito, o incentivo dos governos e empresas, também faz diferença nesse processo de educação ambiental.

Crianças reciclando
Reciclagem em números

O Brasil é o maior reciclador de latas de alumínio do mundo. Porém, de acordo com dados da Associação de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, ABRELPE, num volume de 79 milhões de toneladas de resíduos sólidos, 30% possui valor agregado e potencial para retomar a cadeia de produção como matéria prima, só que apenas 3% está sendo reciclado. Ainda existe muita coisa para ser reciclada no país, boa parte acaba sendo enterrada em grandes aterros sanitários.

A coleta seletiva que deveria ser incentivada pelo poder público é falha em muitos municípios, aqueles que tem podem considerar como luxo. O grande reciclador do Brasil é o catador de rua. Com seus carrinhos buscam em cada canto, qualquer tipo de material reciclável, tem acesso a todo tipo de entulho, por isso, os cuidados com o vidro e a forma de descarte de uma forma geral.

Apenas 1,3% do lixo plástico gerado no Brasil é reciclado, mesmo sendo o quarto produtor desse tipo de resíduo no mundo. Ficando atrás dos Estados Unidos, China e Índia. Das 79 milhões de toneladas de resíduos sólidos produzidos por ano, 17% são de plástico. A notícia que é para se comemorar é que no ano de 2020, a reciclagem desse material aumentou 15%.

A questão do lixo eletrônico é ainda mais grave, de acordo com a BBC Future, de 45 milhões de toneladas de lixo eletrônico, apenas 20% é reciclado de forma correta. Muito material é enviado ilegalmente para aterros tóxicos em países subdesenvolvidos. O que é um desastre para a contaminação de água e da cadeia de abastecimento de alimentos.

Pensar no futuro

Quando as pessoas jogam lixo no chão, os materiais são arrastados pela chuva e se acumulam nos bueiros. A água não tem pra onde escoar e aumentam as chances de alagamentos e enchentes. As lixeiras são extremamente importantes nas cidades, uma forma de promover o descarte consciente. Em cada atitude de proteção ao meio ambiente, os cuidados com as próximas gerações se multiplicam.

História da reciclagem

Uma pesquisa feita pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), mostra que as civilizações antigas já dispunham de sistema de esgoto, além de pavimentação nas ruas. Os israelitas, por exemplo, possuíam regras explícitas de como descartar seus excrementos e os restos dos animais sacrificados, bem como os cadáveres e o lixo produzido no reino.

Na Idade Média, sabe-se que várias cidades italianas tinham normas para a destinação de objetos e carcaças de animais, assim como a eliminação de águas paradas e a proibição de lixo e fezes nas ruas. Neste período, surgiram os primeiros serviços de coleta de lixo

Porém, na segunda metade do século XIX, com a Revolução Industrial, houve um aumento significativo na produção de lixo, causando graves impactos sanitários. Foi necessário programar novas medidas para amenizar a complicada situação dos bairros operários e também dos bairros nobres. A Revolução Industrial trouxe consigo novos patamares de produção e, a partir desse momento histórico, a situação do descarte se tornou algo mais complexo e preocupante. Se antes o lixo era constituído apenas de material orgânico, agora ele tem características diversas: pode ser eletrônico, radioativo, industrial, químico, entre outros.

Para onde encaminhar?

Atenção para as cooperativas de catadores de resíduos que tem em todas as cidades, geralmente elas estão ligadas ao serviço de limpeza de cada prefeitura, que tem como dever incentivar e destinar os matérias através da coleta seletiva. Além disso, o mercado de compra e venda de resíduos está aquecido em muitos municípios. É possível vender materiais como: plástico, papeis, placas eletrônicas, alumínio, ferro, cobre, dentre outros. Todos os materiais são comprados e vendidos pelo peso.

Na dúvida para fazer algumas ações? Então, sigam essas dicas:

– Economize energia elétrica, luz acessa só do cômodo que você está e na tomada apenas aparelhos que estiverem sendo usados.
– Separe o lixo corretamente para que os resíduos sejam reciclados. Importante lavar latas e outros materiais para evitar mal cheiro.
– Ajude a limpar a praia que você tanto usa.
– Que tal plantar uma árvore?
– Fazer um mini jardim também ajuda na cobertura vegetal das cidades.
– Ajudar a limpar uma praça, ou mesmo, outro local público.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *