Pesquisar
Foto dos integrantes do Programa Reflorestar

No ar: cadastros do Programa Reflorestar já podem ser iniciados

Compartilhe:

O Governo do Estado, por meio da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Seama), anunciou o novo Edital do Programa Reflorestar. Cerca de R$ 20 milhões serão investidos e 700 novos produtores beneficiados.

O anúncio foi feito durante solenidade na manhã da segunda-feira (05), no Parque Estadual Paulo César Vinha e contou a presença do governador do Estado Renato Casagrande. Casagrande destacou a relevância do programa na recuperação da cobertura florestal do Espírito Santo. “Já reflorestamos mais de dez mil hectares por meio do Reflorestar. Para nós, esse edital é mais um passo, e um passo importante, para ampliar a cobertura da Mata Atlântica no Espírito Santo”, disse o governador.

À noite, no município de Muniz Freire, em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente, o Programa deu início ao cadastramento dos novos produtores. Os interessados podem fazer a inscrição diretamente no portal do Reflorestar, acessando o site: seama.es.gov.br/programa-reflorestar

Além do secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Felipe Rigoni, participaram do evento o prefeito de Muniz Freire, Dito Silva; o secretário municipal de Meio Ambiente, Douglas Caçador; vereadores da cidade, consultores e moradores locais.

“O que estamos fazendo aqui é histórico. Com a liderança do governador Renato Casagrande, estamos ampliando os investimentos nesse que é um dos maiores programas de Reflorestamento do Brasil. Estamos provando que geração de renda e preservação do Meio Ambiente podem caminhar em sintonia. Não tenho dúvidas de que o novo Edital será um sucesso”, destacou o secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Felipe Rigoni.

Reflorestar: referência no Brasil

Lançado em 2011, na primeira gestão do governador Renato Casagrande, o Reflorestar já investiu mais de R$ 100 milhões em pagamentos por serviços ambientais e políticas de reflorestamento, sendo considerado um dos maiores programas de restauração florestal do País. Seu objetivo central é mostrar que geração de renda e preservação do Meio Ambiente podem caminhar de forma juntas. Assim, produtores recebem recursos, em formato de Pagamento de Serviços Ambientais (PSA), para reflorestarem e iniciarem a plantação de mudas como: café, cacau, palmito, banana, entre outras.

Durante todas as ações, proprietários rurais e comunidades locais recebem, além do PSA, uma assistência técnica de consultores credenciados ao Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) para execução dos serviços.

“O Programa Reflorestar é um programa pioneiro que atua na preservação e na possibilidade de geração de renda para produtores rurais, contribuindo para a restauração do ciclo hidrológico, por meio da conservação e da recuperação da cobertura florestal, estimulando a adoção de práticas de uso sustentável dos solos. A restauração florestal em áreas degradadas, como as realizadas pelo Reflorestar, é de extrema importância não apenas para a restauração do solo e das nascentes, como também para a conservação da nossa biodiversidade nativa. Esse novo ciclo do Reflorestar é um passo a mais para a sustentabilidade do nosso Estado”, frisou o gerente de Fundos e Programas do Bandes, Patrick Gomes Silva

Desde a criação do Reflorestar, mais de quatro mil credenciados já foram beneficiados. Além disso, nove milhões de árvores foram plantadas, oito milhões estão se regenerando naturalmente e 25 milhões são mantidas com o apoio do projeto.

O novo Edital

Ao todo, R$ 20 milhões serão investidos. Podem participar, proprietários que tenham interesse em restaurar pelo menos cinco mil metros quadrados (0,5 hectare) de área da sua propriedade ou posse rural, de acordo com as modalidades e critérios previstos no Edital.

Esta é a primeira fase de uma série que constitui: etapas de cadastro, seleção, atendimento, execução e monitoramento/ acompanhamento técnico.

Modalidades de apoio do Reflorestar

– Floresta em Pé: pagamento por florestas conservadas até dez hectares por propriedade rural;

– Restauração por meio da condução da regeneração natural: repasse de recursos financeiros para a aquisição de insumos necessários à recuperação natural;

– Restauração por meio do plantio de essências nativas: repasse de recursos financeiros para a aquisição de insumos necessários ao plantio de mudas de espécies nativas da Mata Atlântica; apoio técnico e reconhecimento aos serviços ambientais gerados;

– Sistemas agroflorestais: repasse de recursos financeiros para a aquisição de insumos para sistemas que combinam espécies florestais com culturas agrícolas, como café, cacau, palmito, banana, entre outras, e apoio técnico;

– Sistemas silvipastoris: repasse de recursos financeiros para a aquisição de insumos para a implementação de sistemas que combinam árvores com pastagens e apoio técnico;

– Floresta manejada: repasse de recursos financeiros para a implementação de manejo e culturas florestais e apoio técnico.

Fonte:
Assessoria de Comunicação da Seama

Siga o Rota
Leia também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *