Associação denuncia perseguição ao servidor do IBAMA no caso das 18 girafas importadas da África do Sul

Associação denuncia perseguição ao servidor do IBAMA no caso das 18 girafas importadas da África do Sul

Mudança de cargo foi determinada por militar indicado por Bolsonaro; servidores veem desmonte da fiscalização

A Associação Nacional dos Servidores Ambientais (Ascema Nacional) divulgou uma nota, nessa semana, informando que tomou conhecimento de que o servidor Roberto Cabral Borges foi removido da Coordenação de Operações de Fiscalização (COFIS) para a Coordenação de Controle e Logística da Fiscalização (CONOF).

“Tal remoção ocorreu à revelia do servidor. A alteração de lotação do servidor ocorreu após o mesmo ter sido um dos responsáveis pela elaboração de parecer técnico apontando graves falhas na vistoria realizada no RioZoo, e conduzir investigação sobre maus tratos das 18 girafas que foram importadas para o Brasil da África do Sul. O caso exige apuração estritamente técnica, sem qualquer tipo de interferência que venha a prejudicar o bem-estar dos animais”, comunicou a Associação.

O servidor é integrante do Grupo Especial de Fiscalização (GEF) e, segundo a Ascema, possui vasta experiência na condução de operações de fiscalização, atestada pelo seu histórico profissional e pela sua formação complementar.

A Associação lembra que alteração de lotação e remoções, apesar de poderem ocorrer dentro da discricionariedade da administração pública, “não podem ser utilizadas como forma de punir ou dificultar o trabalho do poder público no trato de questões ambientais. A alteração da lotação de servidores pode se desdobrar em atos de improbidade administrativa.

Em nota ao site Brasil de Fato, a assessoria de imprensa do Ibama e do Ministério do Meio Ambiente informou que “as Diretorias possuem poder discricionário para fazer a realocação de servidores dentro das próprias áreas, com base na necessidade de cada setor”.

ANÚNCIO

Girafas morreram após fuga

A importação das girafas custou R$ 6 milhões e foi autorizada pelo próprio Ibama. Em dezembro, veterinários levaram os animais para um banho de sol. Parte delas fugiu derrubando as cercas de madeira e três foram encontradas mortas após a fuga.

Um laudo elaborado por veterinários contratados pelo próprio Zoológico aponta que as girafas sofreram escoriações, hematomas, choque circulatório e enfisema pulmonar. A conclusão é que a causa da morte foi por miopatia, doença que afeta e paralisa os músculos, inclusive o coração.

ANÚNCIOS

Projeto “Óleo Legal” ampliado em SFI

Projeto “Óleo Legal” ampliado em SFI

Além da conscientização ambiental, pessoa que fizer o descarte correto recebe detergente em troca

Com o objetivo de expandir o projeto “Óleo Legal”, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente de São Francisco de Itabapoana (SFI), no Norte Fluminense, disponibilizou dois coletores na área central: a sede da Secretaria Municipal de Trabalho e Desenvolvimento Humano (SMTDH) e a Escola Irmãos em Cristo.

“Assim, nós conseguiremos facilitar o acesso da população ao descarte correto e sustentável do óleo de cozinha. É significativo lembrar que a cada dois litros de material recebido, o morador recebe um vidro de detergente”, afirmou a secretária municipal de Meio Ambiente, Luciana Soffiati. Ela lembrou que o óleo deve estar armazenado em garrafa pet, sem adição de água ou restos alimentares.

Todo o material recebido é encaminhado para uma empresa especializada para o tratamento do resíduo, evitando a contaminação do solo e da água.

Conforme levantamento da Sema, de janeiro até esta terça-feira (17), 1.521 litros de óleos foram coletados. Segundo o órgão, novos locais estratégicos para disponibilização de coletores estão sendo analisados.

ANÚNCIO
ANÚNCIOS

Economia verde é responsável por 22% da carteira de crédito dos bancos

Economia verde é responsável por 22% da carteira de crédito dos bancos

Bancos participam de congresso sobre mercado de carbono no Brasil

Os desafios e as oportunidades na implementação da economia verde no Brasil nortearam os painéis da tarde deste primeiro dia do Congresso Mercado Global de Carbono – Descarbonização & Investimentos Verdes.

No painel sobre o setor financeiro e o fomento a projetos e ativos ambientais, moderada pelo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES), Gustavo Montezano, os participantes lembraram dos diferenciais do Brasil em relação a outros países quando se fala em sustentabilidade.

A presidente do banco UBS, Sylvia Coutinho, ressaltou que “a energia brasileira é a mais limpa do planeta” e chamou a atenção para a “precificação” desse diferencial. Segundo ela, é possível agregar essa energia ao produto brasileiro a um preço muito baixo. “Lá fora a questão toda é reflorestamento, aqui é manutenção”, disse o presidente do Banco do Brasil, Fausto Ribeiro.

O presidente do Banco do Brasil lembrou que agricultores brasileiros são peças-chave na preservação ambiental e que, por isso, precisam ter uma espécie de incentivo ou compensação.

Para isso, o banco criou a CPR-Preservação, modalidade de crédito em que o produtor monetiza a área preservada em sua propriedade. Por exemplo: se ele precisa preservar 20% da propriedade, mas o faz em 30%, ele pode monetizar os 10% extras que está preservando.

Tanto Ribeiro quanto o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari, chamaram atenção para a necessidade de incentivar os investidores a participar desses projetos.
Atualmente cerca de 22% da carteira de crédito dos bancos se destina a segmentos da economia verde, o que totaliza cerca de R$ 400 bilhões.

ANÚNCIO

Saneamento

No painel sobre saneamento, a diretora do Banco Interamericano de Desenvolvimento, Martha Seillier destacou o verdadeiro salto que o Brasil deu no que se refere a investimentos no setor graças ao Marco do Saneamento.

Segundo ela – que já foi secretária especial do Programa de Parcerias de Investimento (PPI) do governo federal – houve uma resistência inicial às mudanças, pois era um setor essencialmente público. Mas, com alterações da legislação, o setor passou a receber investimentos que chegam a oito vezes o valor aplicado anteriormente. “Os leilões têm tido cada vez mais interessados”, destacou Seillier.

Fonte: Agência Brasil

ANÚNCIO
ANÚNCIOS